logo

16/6/2014 11:53

[COPA 2014] Equipe titular de Felipão é seleção brasileira mais escalada do século

Dores na coxa do atacante Hulk colocam em xeque a oitava repetição do time que mais atuou junto no século 21: entrosamento rendeu um título e idolatria

[COPA 2014] Equipe titular de Felipão é seleção brasileira mais escalada do século

Brasil campeão da Copa das Confederações 2013 é o mais escalado do século 21 (Foto: Agência AP )

Julio César, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Paulinho e Oscar; Hulk, Neymar e Fred. A equipe titular de Luiz Felipe Scolari já está na história. Não só por ter conquistado a Copa das Confederações ou inaugurado a Copa do Mundo no país. Essa é a formação mais utilizada pela seleção brasileira no século 21.

Os 11 jogadores estiveram juntos como titulares em sete partidas. Parece pouco, mas, até então, o time mais repetido com a camisa do Brasil desde 2001 havia sido escalado em seis jogos. Era o de Carlos Alberto Parreira, hoje coordenador técnico da CBF, que ficou conhecido pelo quarteto Kaká, Ronaldinho, Adriano e Ronaldo, entre 2005 e 2006.

A estatística impressiona porque Felipão conseguiu isso em menos de um ano e meio, enquanto outros técnicos como Parreira e Dunga tiveram quatros anos completos à frente da Seleção. Nem assim, mantiveram a escalação intacta, do goleiro ao centroavante, por tanto tempo. Seu antecessor, Mano Menezes, em dois anos e meio, não repetiu uma equipe por mais de duas vezes. Agora, o atual treinador torce pela recuperação de Hulk, que deixou o treino deste domingo sentindo dores, para mandar a campo pela oitava vez seu “time dos sonhos” nesta terça-feira, contra o México, em Fortaleza.


Felipão escalou seu time ideal por sete vezes em menos de um ano e meio (Foto: Reuters)

Scolari reassumiu o cargo no fim de 2012 e estreou em fevereiro de 2013. Aquele amistoso contra a Inglaterra já teve Julio César, Daniel Alves, David Luiz, Paulinho, Oscar e Neymar como titulares. A partida seguinte, diante da Itália, ganhou as presenças de Hulk e Fred. E já no empate com a Rússia, terceira partida de Felipão, entraram Thiago Silva e Marcelo.

O último a se garantir como titular foi o volante Luiz Gustavo. Considerado surpresa na convocação para a Copa das Confederações, ele foi escalado no primeiro amistoso de preparação para o torneio, novamente diante do English Team. Não saiu mais. Na semana seguinte, o Brasil derrotou a França por 3 a 0 e teve, com Marcelo no lugar de Filipe Luís, a formação recordista pela primeira vez.

Na vitoriosa campanha das Confederações, só houve uma mudança. Contra a Itália, Hernanes iniciou no lugar de Paulinho. Nas quatro partidas restantes, a escalação se consolidou.
Curiosamente, eles só voltaram a se encontrar no último dia 6, na vitória sobre a Sérvia. O ato final da preparação para a Copa do Mundo reuniu os campeões e comprovou a confiança de Felipão em sua criação.

Confiança que se justifica em números: essa formação venceu as sete partidas que disputou e só sofreu dois gols (um deles contra). E que também ajuda nos momentos mais difíceis, como o baque de sofrer esse gol contra nos primeiros minutos da Copa, a favor da Croácia e diante da torcida brasileira.

- Ajudou muito. Nós confiamos muito uns nos outros e sabemos a função que cada um pode fazer. Isso nos ajuda a fazer melhor - disse o meia Oscar.

Nos nove amistosos realizados nesse período, muitos outros atletas tiveram chances. Reservas e outros que nem sequer foram convocados para o Mundial. Nenhum deles convenceu o técnico a abrir mão da formação. Repetir uma escalação com jogos tão espaçados e convocações diferentes é um desafio na seleção brasileira.

Em 2006, Parreira bancou a escalação de Adriano e Ronaldo, com Robinho no banco. O time da Copa foi a base de todo seu trabalho, mas só se repetiu seis vezes e tinha Dida, Cafu, Lúcio, Juan e Roberto Carlos; Emerson, Zé Roberto, Kaká e Ronaldinho; Adriano e Ronaldo.

Nos quase 14 anos do século 21, a seleção brasileira principal disputou 209 partidas e somente 19 escalações foram repetidas ao menos duas vezes. Mesmo Felipão, em sua primeira passagem, usou cinco formações diferentes nos sete jogos do pentacampeonato, em 2002. O time atual, histórico, depende somente da recuperação de Hulk para entrar novamente em campo no Castelão, terça-feira. Caso ele não possa jogar, Ramires deverá ficar com a vaga.



867 visitas - Fonte: Globo Esporte


VEJA: Cruzeiro tem conversas em andamento com clube argentino por Lucas Romero


Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Próximo Jogo - Brasileiro

S&# - 22:00 - Mineirão - Premiere
Cruzeiro
Fortaleza

Último jogo - Brasileiro

S&# - 19:00 - Arena Corinthians
Corinthians
1 2
Cruzeiro
Untitled Document
Classificação
1 Flamengo
2 Palmeiras
3 Santos
4 São Paulo
5 Corinthians
6 Internacional
7 Grêmio
8 Bahia
9 Atletico Paranaense
10 Goiás
11 Vasco DA Gama
12 Atletico-MG
13 Botafogo
14 Fortaleza EC
15 Ceará
16 Fluminense
17 Cruzeiro
18 CSA
19 Chapecoense-sc
20 Avai
P J V E D GP GC SG ÚLT. JOGOS
64 27 20 4 3 57 22 35 VVVVV
54 27 15 9 3 42 21 21 EDVVE
51 27 15 6 6 38 26 12 VVEVD
46 27 12 10 5 27 17 10 VEVDV
44 27 11 11 5 30 20 10 EEDED
42 27 12 6 9 31 24 7 EDEVD
41 27 11 8 8 44 30 14 EVVDD
41 27 11 8 8 30 24 6 DEDVD
39 27 11 6 10 38 29 9 VEDVE
38 27 11 5 11 29 39 -10 VDVEE
37 27 10 7 10 25 31 -6 DEVVV
35 27 10 5 12 34 37 -3 EDDEV
33 27 10 3 14 25 30 -5 DVDDV
31 27 9 4 14 30 37 -7 DVDDV
29 27 8 5 14 27 29 -2 DDVDV
29 27 8 5 14 28 38 -10 VEVDD
28 27 6 10 11 22 34 -12 EEEVV
26 27 6 8 13 18 39 -21 VVDED
17 27 3 8 16 21 42 -21 DDEDE
17 27 3 8 16 13 40 -27 DEDDD
Libertadores Pré-Libertadores Sul-Americana Rebaixados
vitoria empate derrota